imagem_noticia_5Cerca de 150 maçons participam do desfile do 7 de Setembro nesta quarta-feira em Salvador. O grupo, formado pelos homens mais influentes do país, ajudou a consolidar a independência do Brasil, após a simbólica declaração de D. Pedro I às margens do Rio Ipiranga, em 1822, ao contatar lojas maçônicas de outros países pelo reconhecimento do país como nação independente de Portugal. Além de que nomes importante no período eram maçons, como o próprio D. Pedro e José Bonifácio de Andrada e Silva, responsável pela organização da ação militar contra os focos de resistência à separação de Portugal. De acordo com o venerável Fernando Vieira, da loja maçônica Universo da Luz, 195, GLEB, em Salvador, os maçons viajavam e enviavam cartas para lojas da Europa e da América do Sul. Outra forma de atuação da maçonaria na consolidação da independência foi incitando os brasileiros a resistirem à pressão dos colonos, o que veio a se encerrar em 2 de julho do ano seguinte, com a Independência da Bahia. “A maçonaria começou a agir também dessa forma, incitando a população baiana a se libertar. Em Cachoeira e Salvador já havia loja maçônica criando grupos de resistência. Eram uma das instituições que influenciavam: a Igreja Católica, religião oficial do Estado, e a maçonaria, composta por homens influentes em todas as áreas de atuação”, acrescentou.

Autor:Texto/ Site Bahia Notícias

Fotografia; Bahia Notícias